sábado, 22 de setembro de 2018

ENTENDA COMO AGEM OS 4 MEDICAMENTOS PARA EMAGRECER APROVADOS NO BRASIL



A obesidade é uma das maiores epidemias do século. Ela pode causar ou agravar muitos problemas de saúde, como pressão alta, diabetes tipo 2apneia do sono, osteoartrose entre outros. De acordo com as Diretrizes Brasileiras de Obesidade, o tratamento com medicamentos é indicado para pessoas com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 25 kg/m2 e que apresentam doenças associadas ao excesso de peso. Ou ainda para aquelas com IMC acima de 30 kg/m2 independentemente de terem ou não complicações do excesso de peso.

Existem quatro medicamentos aprovados pela ANVISA para o tratamento da obesidade:

. Orlistate;
. Sibutramina;
. Liraglutida;
. Lorcasserina.

É importante destacar que o tratamento com medicamentos sempre deve vir acompanhado de mudança de estilo de vida, como dieta e prática regular de exercícios físicos, e sempre acompanhado pelo médico. A seguir, explico melhor como cada um dos remédios agem no organismo e ajudam na perda de peso.

Orlistate
É um medicamento que inibe a ação de lipases intestinais, podendo reduzir em até 30% a absorção da gordura consumida na refeição. Não age no apetite, mas acaba ajudando a emagrecer pois uma parte da gordura ingerida acaba sendo eliminada nas fezes. Claro que deve ser aliado a uma dieta saudável, pois se o consumo de gorduras for muito exagerado não haverá um déficit de calorias, o que é necessário para a perda de peso. Tem como efeitos colaterais fezes oleosas, diarreia e dor abdominal, que podem acontecer com mais frequência.

Sibutramina
Age no sistema nervoso central por meio de dois neurotransmissores: a serotonina e a noradrenalina. Com isso, reduz a vontade de comer, mantendo o corpo saciado por mais tempo, além de deixar o metabolismo mais acelerado. Essas ações acabam levando ao menor consumo de calorias e maior gasto de energia. No entanto, a sibutramina pode aumentar os batimentos cardíacos e a pressão arterial. Por isso, não deve ser usada por pessoas com problemas cardíacos, por exemplo, aquelas com arritmia, hipertensão arterial descontrolada, angina ou que já sofreram infarto e derrame.

Liraglutida
Atua no organismo da mesma forma que um hormônio chamado GLP-1, naturalmente produzido pelo intestino nas refeições. Esse hormônio reduz o esvaziamento do estômago e sinaliza para o cérebro que estamos alimentados, promovendo saciedade. Existem evidências de que a substância participa também da regulação do apetite hedônico –aquele em que a busca alimentar se dá por recompensa e prazer. A liraglutida também é usada no tratamento de diabetes tipo 2, pois aumenta a sensibilidade do pâncreas para produzir insulina. É uma medicação aplicada por injeções diárias via subcutânea e tem como principais efeitos colaterais náusea, intestino preso e sintomas de refluxo.

Lorcasserina
Já foi aprovada pela Anvisa mas ainda não é comercializada nas farmácias. Ela age via serotonina no hipotálamo –região cerebral que participa do controle do apetite. A ação se dá em único tipo de receptor de serotonina (5HT2c), que além de estar presente no hipotálamo é bastante expresso em uma região cerebral envolvida com o comer emocional, mas os estudos ainda são escassos com esse perfil de pessoas. Os principais efeitos colaterais são dor de cabeça, náusea, boca seca e intestino preso.
É importante ressaltar que para uma medicação ser aprovada pelas agências regulatórias ela tem de passar por diversas pesquisas clínicas e demonstrar segurança e eficácia na perda de peso. A obesidade é doença crônica, que pode prejudicar muito a saúde. Deve ser encarada com respeito e o tratamento ético é fundamental.

Cintia Cercato
Viver Bem

ARRANCAR UM FIO DE CABELO BRANCO FAZ NASCER VÁRIOS OUTROS NO MESMO LUGAR?


Um dia você se olha no espelho e ele está lá, saltando aos seus olhos, um fio de cabelo branco! Sem pesar muito, você arranca o "intruso" da sua cabeça. Mas aí se lembra de ter ouvido que ao fazer isso nascerão vários outros no mesmo lugar, e bate aquele arrependimento. Pois pode parar se de preocupar, essa história não passa de um mito. 


O que acontece quando arrancamos um fio de cabelo branco? 
Não se sabe exatamente com quantos folículos capilares --local onde fica a raiz do fio -- uma pessoa nasce, mas estima-se que seja algo entre 100 e 150 mil. O fato é que a imensa maioria deles tem apenas um fio. Sendo assim, ao arrancar um branco, o que acontecerá é que outro surgirá em seu lugar. A má notícia para quem não curte a cabeleira grisalha, é que ele continuará sem cor. 

Mas, então, por que parece que os cabelos brancos se multiplicam? O primeiro ponto é que eles se destacam quando estão perto dos escuros. Além disso, o fio de cabelo branco cresce mais rapidamente e tem uma textura diferente, um pouco áspera, o que faz com que ele chame ainda mais a atenção. 

É preciso salientar que arrancar cabelos brancos de vez em quando não faz mal algum. Porém, ao repetir essa atitude excessivamente, você corre o risco de traumatizar a raiz e machucar o couro cabeludo. 

Por que os fios ficam brancos? 
Como praticamente tudo no nosso corpo, o cabelo tem seu ciclo de vida e também envelhece. E um dos sinais disso é justamente o embranquecimento. A mudança de cor ocorre porque os melanócitos, células produtoras de melanina, a proteína que dá cor às madeixas, “param de funcionar” e de transmitir o pigmento --tudo de forma gradual. 

Não dá para saber quando a cabeleira começará a ficar grisalha, pois depende da genética --a idade em que os fios do seu pai e dos seus avôs começaram a ficar brancos pode ajudar você a ter uma ideia. Em algumas pessoas esse processo natural se inicia na adolescência. Em outras, após os 60 anos. 

Vale destacar que o estresse, por provocar a oxidação celular, pode adiantar o momento. A recomendação para evitar que isso aconteça é manter uma vida saudável e o equilíbrio emocional. Também pode-se recorrer a vitaminas e agentes oxidantes. 

Cuidados com o cabelo branco 
Não é porque o cabelo ficou branco que ele será mais frágil ou doente. A única diferente em relação ao ruivo, loiro, castanho ou preto é que ele deixa de ter a proteção da cor, tornando-se mais suscetível à ação do sol e com tendência a amarelar. Nesse caso, o ideal é usar boné ou chapéu, produtos com filtro solar e, uma vez por semana, xampu violeta para neutralizar o tom amarelo. 

Também é indicado optar por xampus específicos para grisalhos. Fora isso, quem não quiser manter as madeixas brancas tem como alternativas os tonalizantes --indicados para pessoas com poucos fios brancos -- e as tinturas --quando mais de 20% do cabelo já perdeu a cor). No mais, os cuidados são os básicos: evitar água muito quente, secador na temperatura máxima e procedimentos químicos --se quiser realmente realizá-los, ao menos aumente o intervalo entre eles. 

Fontes: Caio Lamunier, dermatologista do Hospital das Clínicas de São Paulo; Emily Alvernaz, dermatologista da Clínica Goa (RJ); e Rodrigo Pirmez, coordenador do Departamento de Cabelos da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) - Regional Rio de Janeiro - e dermatologista da clínica Dr. André Braz (RJ). 


Renata Turbiani
Colaboração para o VivaBem